8 de abril de 2008

Prelúdio Para Matar

Argento se despedia dos giallos simplesmente com uma obra prima. De estética gráfica fabulosa, manteve o mesmo empenho na maquiavélica trama de violentos assassinatos. Há várias pistas, algumas reais, outras apenas para nos ludibriar, mas sempre coerente. Não é daqueles filmes onde no fim descobre-se o culpado, sendo que isso tanto fazia, poderia ser o leiteiro assim como a freirinha histérica... Inclusive, e isto é realmente uma ousadia, é possível vislumbrar a face do criminoso logo na primeira morte. Portanto, olho vivo! A trilha sonora psicodélica e doce da banda Goblin contrasta tenebrosamente com todo aquele sangue vermelho fosforesceste, e é também digna de se ter na coleção. Ao testemunhar crime brutal de uma parapsicóloga, pianista inglês vê-se envolvido com serial killer que pode ser qualquer um à sua volta. Como os policiais são uns bananas, arregaça as mangas e vai ele mesmo tentar desvendar porque e quem estará por traz de tanta brutalidade ao som de uma cantiga de ninar. Seguindo à risca o estilo dos livros policiais vendidos a preços populares na Itália, e que por terem capas amarelas ganharam o apelido de giallo, Argento demonstra um controle técnico beirando o doentio, seja visualmente quanto no roteiro. O diretor, merecedor do título de mestre, toca em vários assuntos que usaria em seus próximos trabalhos, como os poderes telepáticos dos insetos, e a sobrenaturalidade, tema de todas as suas películas a partir de Suspiria. Nada está ali à toa e por mais elaborado não deixa de ser extremamente popular. Assim como os melhores de Hitchcock que, aliás, teria dito brincando com as comparações, após assistir Prelúdio Para Matar: “Este jovem italiano está começando a me preocupar”.

Prelúdio Para Matar – Profondo Rosso/Deep Reed

- Itália 1975 De Dario Argento Com David Hemmings, Daria Nicolodi, Gabriele Lavia, Clara Calamai, Macha Méril, Giuliana Calandra 126’ Suspense/Policial


DVD - Versão estendida com duas horas e tralalá, widescreen, de fazer até a polêmica edição norte-americana ficar verde de inveja! Mas nem tudo são flores! Ele lamentavelmente tem um defeito grave com o áudio que fica oscilando entre italiano e inglês, sendo que quando está em italiano não há legendas! Isso por muito tempo a ponto de irritar... Claro, que com um pouco de boa vontade se consegue entender, mas é uma pena mesmo assim.

Cotação:

6 comentários:

  1. Bão Miguel? Acho seu blog um dos mais interessantes sobre cinema.

    Você é bastante especializado em terrores. Então, vai a pergunta.

    O lançamento foi provavelmente entre 95 e 99. Na capa, uma bruxa (??) comendo um espetinho de caveira (trash hehe, era uma vaeirinha em um palito). Lembro do filme: Uma noiva de negro, um batom que saía uma língua de dentro.

    Reconhece? É tipo o filme da minha infância. Amava-o. A locadora fechou, o tempo passou, e eu não lmebro do nome.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Rafaéu, obrigado pelos elogios, mas minha especialidade não é filme de terror não!
    É filme que não aborreça!
    Puxa, 99 e é lembrança da sua infância? Não faço idéia do qual seja, dê mais informações... Tipo, você se lembra de algum ponto da trama?

    ResponderExcluir
  3. Não muito mais que isso. Pois é, 99 eu tinha 9 anos. Me lembro da última cena que alguém usa o batom e dá aquele final "it never ends...".

    PS.: Muito trash o filme.

    ResponderExcluir
  4. Não faço a mínima idéia! Acho que porque em 99 também era muito pequeno! hehehe

    ResponderExcluir
  5. Calabouço do Andróide29 de julho de 2008 12:43

    O filme a que rafaéu se refere é Noite dos Demônios 2, A (Night of the Demons 2 - 1994).

    ResponderExcluir
  6. Já repassei a informação. Obrigado, Calabouço de Andróide!

    ResponderExcluir